casa de criadores

Casa de Criadores 46 – Dia 1

Aconteceu na última terça-feira (26), a estréia da 46º edição da Casa de Criadores na Alameda Olga, em São Paulo. Seis marcas desfilaram suas coleções com temas dos mais variados.

Rober Dognani abriu os desfiles da noite homenageando Elloanigena, com uma performance cheia de brilho e com clima de festa. CHO.PROJECT, Alex Kazuo, Jorge Feitosa, Weider Silveiro e Martins também desfilaram no primeiro dia de evento, que começou com pocket show de Jup do Bairro, patrocinado pela TNT.

Rober Dognani

Entre todas as personas da noite, uma é unanimidade em drama, fervo e absurdo. Na noite há muito tempo, já viu clube fechar e clube abrir, já dançou em muitas festas. Elloanigena nasceu na Sound Factory no século passado. Seca, exótica e com looks à la Marilyn Manson, era a soberana da montação dos cybermanos, fez os shows mais insanos que alguém poderia sonhar.

46ª Casa de Criadores
Rober Dognani-
46ª Casa de Criadores- Inverno 2020- Novembro 2019
Foto: Marcelo Soubhia/Fotosite

CHO. PROJECT

“Naneun eobu” ou “Eu pescador” é uma extensão de mim mesma… Resgato aqui memórias que foram traduzidas em palavras, imagens e em indumentária. A memória é rala mas os sentidos não falham. O cheiro da maresia abraça os odores que permeiam o mercado de peixes que acontecem alí mesmo, há alguns passos do porto de onde chegam as cargas pesqueiras.

Consigo ouví-los (os pescadores) berrando em busca da clientela, dos fregueses que chegam pela madrugada em busca da melhor mercadoria. Entre elas, senhorinhas semi-corcundas com um lenço enrolado na cabeça. A sensação é abafada e úmida.

Robustos e um tanto sem delicadeza, pescadores transitam de um lado ao outro descarregando bacias cheias de peixes de seus barcos. Transcrevo através dessas memórias, desenhos em forma shapes, silhuetas, mangas e calças cocoon. “Naneun eobu” retrata pessoas que dependem do mar para sobreviver.

Compartilho aqui um pouco da essência de famílias do mundo ou, pessoas do mar. De homens e mulheres cuja vivência é diretamente influenciada pelas marés e pelos cardumes de peixes.

Cho.Project-
46ª Casa de Criadores- Inverno 2020- Novembro 2019
Foto: Marcelo Soubhia/Fotosite

Jorge Feitosa

Sentir-se pressionado por uma ideia, pressurizado, de modo a ser anulado é o ponto de partida da coleção Inverno 2020 do designer Jorge Feitosa, que é responsável pelo desenho, modelagem e costura de todas as peças da coleção, fortalecendo assim o seu papel de costureiro.

Cápsulas podem proteger, mas também conter. Depende do que está fora ou dentro. Na coleção, Jorge usa a ideia de cápsula para convidar ao sentimento de sair de dentro dela. “Só assim penso que podemos criar as constantes novidades do mundo”, conceitua o designer.

“Permanecer estático, para muitos, é sinônimo de segurança, mas acredito que a nossa evolução depende do movimento, da mobilidade e do hibridismo que podem gerar a mutação infinitamente orgânica. Mesmo o que é estático cria uma relação de mudança com o que está à sua volta. Adaptar, aderir, misturar, são ações estabelecidas na Natureza, como nos ensina a Biomimética, atuando inclusive no campo da Inteligência Artificial, a partir do estudo e observação de algo que a humanidade rejeita: a diversidade”, finaliza Jorge Feitosa. Viva o diferente.

Casa de Criadores
Jorge Feitosa-
46ª Casa de Criadores- Inverno 2020- Novembro 2019
Foto: Marcelo Soubhia/Fotosite

Weider Silveiro

A coleção de inverno 2020 é inspirada na alfaiataria inglesa e nas vestes e ornamentos africanos, contudo essas referências são suavizadas ao extremo no intuito de construir uma imagem de moda moderna é uma roupa muito urbana e confortável!!!

A marca destaca nesta estação o trabalho de upcycling em bottons garimpados em brechós especializados em alfaiataria masculina. Os tecidos vão de malhas de poliamida fluidas, jacquards , algodão de camisaria indo até sarjas com elastano.

Casa de Criadores
Weider Silverio-
46ª Casa de Criadores- Inverno 2020- Novembro 2019
Foto: Marcelo Soubhia/Fotosite

Martins

PAUSA é o tema da minha nova coleção, nela abordamos mudanças, términos e recomeços, onde fiz da minha casa meu refúgio e meu ponto de encontro comigo mesmo, dessa vertente vem os tecidos, que trazem a ideia de conforto e a sensação de colocar uma roupa e não querer tirar nunca mais.

Trabalhamos o matelassê, tratamento dado a maioria das colchas e edredons. A cartela segue uma linha extremamente clean, preto, branco, off-white, cinza, azul marinho e bege.

Casa de Criadores
Martins-
46ª Casa de Criadores- Inverno 2020- Novembro 2019
Foto: Marcelo Soubhia/Fotosite