Posts in Comportamento

Cara gente branca não é sobre você

Cara gente branca, aqui vai uma série de motivos, pelos quais, você não deve se sentir ofendido com a série “Cara gente branca”. Até porque, ela não é sobre você, e sim sobre meus irmãos e irmãs negrxs.

Algumas pessoas já perceberam que Cara gente branca, não teve a mesma repercussão que 13 reasons why. Só daí, percebemos o quanto as pessoas se comovem e preocupam mais com determinados assuntos, e ignoram outros, tão importante quanto.

Dessa mesma maneira os meios de comunicação. Mas o meu objetivo aqui é outro.

Há algumas semanas, a Netflix lançou uma série chamada “Dear white people”, Cara gente branca, aqui no Brasil. O que causou grande revolta nos EUA, onde usuários ameaçaram e cancelaram suas assinaturas na plataforma.

Por que será, que uma série com protagonistas negros e, aparentemente, um título que dá a intenção de falar mal de pessoas brancas causa tanto incômodo? Se fosse um protagonista branco, com negro em segundo plano, estaria tudo ok?

Apesar da série começar com um estopim, causado pelo uso de “black face” em uma festa, a narrativa tem como carro de frente, os membros fraternidade negra da faculdade Winchester, e gira em torno de dilemas vividos por esses estudantes e maneira como eles lidam com as questões sobre racismo e preconceito.

Pessoas negras tão plurais e distintas

A realidade é que nosso mundo é composto por pessoas negras também, beleza? Elas também ocupam espaços e tem voz. Deixe que elas falem. Pessoas negras tão plurais e distintas, com vivências e experiências diferentes. E é isto que Cara gente branca retrata.

Cada indivíduo é tão único, com particularidades. A partir disso, mostra como se dão as relações na comunidade negra, apresenta o negro em sua pluralidade. Pluralidade esta, que vai desde o tom de pele (colorismo) até as ideologias.

Que a  negritude não é vivida de uma só maneira. São as mais diversas formas de experiência e postura de combate ao racismo. Logo,  as nossas posições no movimento negro não são as mesmas.

Humanização da existência negra

São por estas, e outras questões, que Cara gente branca não julga as pessoas brancas ou lhes aponta o dedo para suas atitudes racistas, ainda que fale sobre isso de uma maneira sarcástica. Ao meu ver, a série tem o objetivo de humanização do ser negro. Desmistifica que todos nós somos iguais e que estamos sempre na defensiva.
Uma abordagem sobre a personagem Coco, que me chamou muita atenção, é a maneira como a apresentaram e, aos poucos, foram desvendando o porque dela agir e ter tais atitudes diante o movimento. 
O que exemplifica de maneira clara, como um indivíduo tem sua identidade construída através de suas vivências, experiências e pelo o meio que o cerca. Falei sobre isso no texto “meu processo de empoderamento”, sobre a falta de representatividade e que, após muito tempo, fui reconhecendo meus traços e me aceitei como pessoa negra.

“ser despreocupado e negro, é um ato de revolução.”

Os personagens em suas diversas nuances, dotados de emoções e expectativas, se mostram, muitas vezes, divergentes em suas posições dentro do movimento negro. Existem aqueles que lutam veemente por suas ideologias, estão sempre na linha de frente e parecem nunca se cansar.

Assim bem como, aqueles que são mais na sua,  não possuem voz ativa, os que na série dizem ser os que estão dormindo. Mas, a maneira como isso é trabalhada na série, nos diz que “ser despreocupado e negro, é um ato de revolução.” E acredito eu que sim, pois, o simples fato de nós existirmos, já é uma luta, é resistir.

Além dos assuntos relatados acima, a série aborda uma série de temas, que precisam ser debatidos dia após dia, que parecem irrelevantes, mas fazem parte da vivência do negro. Seguem algumas:

  • Colorismo
  • Coação policial
  • Pluralidade negra
  • Hipersexualização
  • Homossexualidade negra
  • Genocídio
  • Solidão da mulher negra
  • Relacionamento interracial
  • Masculinidade negra



Nós, negros, somos humanos, temos nossas dores e ainda precisamos lutar para conquistarmos nosso espaço no meio em que vivemos. O racismo é real, e está velado em nossa sociedade. Pequenos atos e dizeres, podem sim, nos atingir. 
Apropriação cultural faz com que nossa história perca seu valor. Piadas que façam chacota com nossa raça faz parecer que não somos nada. Mas falar sobre o que incomoda os negros, incomoda os brancos. 
Querida pessoa branca, não assista série como se fosse uma ofensa a você, até porque ela não é. E querida pessoa negra, não se cale, mostre quem você é e que você é um ser humano que merece seu lugar na sociedade.

Desabafo sobre fugir da realidade

Não tem sido tempos fáceis para mim. Na verdade, acredito que para ninguém. Parece que a cada dia os problemas só aumentam e aqueles que já existiam, não tem solução. Eu deveria ser grato pela vida, na verdade eu sou. Depois de já ter passado por muitos problemas desde criança, ter chego até aqui é uma dadiva. Nunca fui muito próximo da minha família e não cresci ao lado do meu pai, o que me fez crescer muito rápido e precisar tomar muitas decisões sozinho.
Os últimos meses foram, sem sombra de dúvidas, muito turbulentos. Pessoas se foram, descobri falsas amizades, intrigas envolvendo pessoas próximas e desentendimento familiar. Por diversas vezes fingir estar bem. Colocava um sorriso no rosto, ignorava estas questões e fingia para mim que estava tudo bem. Sempre fugindo da realidade para não encarar estes problemas. Talvez por medo, talvez por não saber como lidar com eles.
Quem me conhece sabe que sou uma pessoa muito tranquila e sempre me mostrei ser uma pessoa feliz, transparecendo ser um poço de alegria. Nunca fui de ficar “chorando” na internet, desabafando com amigos ou andar triste por aí. Possivelmente o maior erro foi ter ficado calado por tanto tempo. Todas as vezes que guardava magoas, eu só me alimentava de dor, me tornando uma pessoa angustiada e que em certo momento desabaria e se afogaria na correnteza de mágoas que estava dentro de mim.
Quantas vezes passei noites em claro e pela manhã tentava esconder as olheiras com um corretivo. Por anos fingi estar bem por me achar forte o suficiente e não precisar de ajuda. Por vergonha de parecer fraco, nunca me abri demais com as pessoas por achar que ninguém poderia me ajudar. E então, para fugir mais da realidade, me joguei nos estudos, muito trabalho e passava o restante do tempo me divertindo.
E assim meus problemas se tornaram meus monstros. Hoje eles voltaram e me assombram. É difícil ter que encará-los num momento delicado da vida. Estou me formando e as inseguranças sobre o meu futuro me rondam. Tudo isso tem criado uma bola de neve que já quase não é possível aguentar mais.
Em certo momento é preciso parar e refletir sobre a vida. Analisar o que está acontecendo e se perguntar o porquê disso tudo. Não dá para sair culpando a vida e dizer que tudo é carma. Por diversas vezes ignorei os problemas e agora preciso enfrentá-los com sabedoria, buscando me tornar alguém melhor. Foram as minhas escolhas que estão refletindo no meu presente. Foram as atitudes não tomadas ou mal pensadas que estão cobrando ser alguém mais forte e melhor. Eu achava que os dias estavam passando muito rápido e sem sentido, até o momento em que resolvi mudar e buscar enfrentar a realidade cara a cara. Talvez só fosse preciso aceitar que a vida não é perfeita, sou um ser humano e frágil. Que pedir ajuda não é errado, mas aprisionar medos e monstros dentro de mim nunca foi a melhor opção.

Às vezes é preciso reaprender

Durante minha viagem de férias, uma das coisas que pude fazer foi pedalar tranquilamente pela cidade. Na primeira tentativa acabei passando mal. Já fazia bastante tempo que não praticava atividade física. Não desisti. Num outro dia comecei a pedalar mais vagarosamente, trabalhando a respiração e o ritmo. E assim fui durante todo o percurso até chegar ao destino final.

Às vezes temos a sensação de que para reaprender amar é necessário um acontecimento extraordinário em nossas vidas.  Que é preciso que alguém nos ensine aceitar, nos devolva a confiança e nos faça sorrir novamente. A verdade é que precisamos dar uma segunda chance a nós mesmos e nos preparar para mais uma caminhada. Assim como a falta de exercícios nos enferruja, a falta de amor pode nos tornar pessoas amargas.
(Re)aprender a amar pode ser praticado diariamente e depende de nós. É preciso acreditar que somos capazes, que podemos fazer mais por nós mesmos. Amar a si mesmo o torna alguém mais interessante aos olhos dos outros. Mas isto só será possível se recomeçar novamente. Quando fazemos algo por prazer, todo o nosso ser cresce. Quando nos abrimos, descobrimos o melhor de nós mesmos. Assim o amor chegará como uma recompensa, não como uma necessidade.

10 dicas para superar o crush

Depois de muito tempo, finalmente trouxe um assunto muito pedido pelos leitores, o famoso CRUSH. Mas, antes de irmos diretamente ao ponto, precisamos entender o que significa crush.

“Crush” é um termo complicado. Uma tradução próxima seria a “quedinha” que se tem por alguém, ou “estar caído por”, típico sentimento adolescente, apesar de não exclusivamente adolescente. A edição nacional do livro “As Vantagens de Ser Invisível”, publicada pela Editora Rocco, deixa “Crush” como “Paixonite”.

Esse chega perto, mas nenhum dos dois termos explicam direito o que é “Crush”, apesar de todos nós sabermos de um jeito ou de outro o que é.

Um jeito de entender o sentimento é como aquela sensação de atração idealizada que todos nós já experimentamos. A pessoa é “perfeita”, ou tem alguma característica muito específica que nos atrai e isso já é o suficiente para que consigamos ver um futuro resplandecente, além do arco-íris com ela/ele.

Tá Guto, mas qual o problema em ter uma queda por alguém? Simples: é uma atração idealizada. Baseado nos seus ideais de alguém ideal para ser seu parceiro, você projeta naquela pessoa, os requisitos para que ela se torne este alguém.

Resumindo: Você não se apaixona pela pessoa, mas pela ideia que tem dela. E, se tratando de uma idealização, as chances de decepções são grandes.(experiência própria 1)

Quem nunca teve uma queda ou paixonite por alguém? Mas, por difícil mais que seja, é preciso superar o crush e seguir vida.

Tudo parece bom até um certo momento, você imagina mil coisas na cabeça, alimenta um sentimento que não existe e pensa 24 horas na pessoa, mas a verdade é que isto pode acabar lhe causando sofrimento. (experiência própria 2)

Se você quer tirar aquela pessoa da cabeça e não sabe como fazer isto, se liga nas dicas para lidar com esta situação!

1. Aceite

Por mais que seja uma atração e um sentimento passageiro, é preciso admitir que está sentindo algo pela pessoa e dar a cara a tapa. Enfrente a situação.

2. Ninguém é perfeito

Desconstrua a imagem de uma pessoa perfeita. Quando nos apaixonamos por alguém, criamos ideia de alguém que tem tudo a ver conosco. Mas lembre-se: todos somos seres humanos.

3. Converse com o crush

Ficar se remoendo e angustiado é algo terrível. Faça uma análise da situação, se lhe parecer um bom momento, fale abertamente com a pessoa em questão. O não você já tem, quem sabe não consegue um sim? É melhor ouvir o que a pessoa tem a dizer, antes de criar falsas expectativas. Conversar não mata.

4. Tudo tem seu tempo. 

Entenda que ainda não é um relacionamento. Caso esteja rolando algo e você ainda não se sentir correspondido, paciência. Para ser um relacionamento é preciso que ambos correspondam os sentimentos um do outro.

5. Call to manas

Fale com seus amigos sobre o crush. Como já disse, guardar este sentimento para si pode lhe trazer mais conflitos. Desabafar com os amigos pode lhe ajudar a analisar a situação com outros olhos, afinal você está cegamente encantado.

6. Divirta-se

Mente vazia é oficina do satã, já dizia o ditado. Para esquecer um sentimento não correspondido, é importante ocupar a cabeça. Faça coisas que goste, se dedique a um hobby, assista suas séries preferidas, leia um livro ou saía com os amigos.

7. Já somos 7 bilhões

7 BILHÕES de pessoas no mundo e você sofrendo por um ser? Bitch, please. Conheça outras pessoas, dê a oportunidade para que elas se aproximem de você.

Uma boa maneira de fazer isso é através dos aplicativos de relacionamentos, pois eles possibilitam que você converse com várias pessoas novas. Não tenha preconceitos. Você pode se surpreender!

8. Vá para a Rehab

Brincadeira. Não é para tanto. Mas afaste-se da pessoa idealizada. Quanto mais você a ver, pior será esquecê-la.

9. Keep calm and carry on

É fato que cada um é cada um, cada caso é um caso, mas neste ponto somos todos iguais: precisamos de tempo para lidar com a situação e partir para outro.

Chore, grite, sofra, isso tudo irá passar, é só dar tempo ao tempo e a si mesmo. Aproveite para cuidar de si. Medite, exercite-se, tenha um dia de beleza. Estas atividades ajudam a aumentar a auto-estima.

10. Não se culpe

Não leve para o lado pessoal. Existem muitos motivos pelos quais alguém não se interessa pela outra. Portanto não vá pensando que você não é atraente ou interessante. Somos diferentes e leva tempo até encontrar a metade da laranja.

A vida é uma só. Uma hora você precisa superar e seguir em frente

6 filmes motivacionais que você precisa assistir

Eu amo filmes que, além de me entreter e divertir, tenham alguma mensagem mais profunda, que me ajude e faça refletir. Além disso, boas histórias vendem, boas histórias são persuasivas, boas histórias inspiram. São histórias de perdas, dificuldades e superação que podem inspirar, emocionar e motivar qualquer um.

E como nunca é demais assistir algo que inspire a reflexão e nos coloque para cima, confira a lista de filmes motivacionais que vão fazer você sair do sofá e ir à luta por algo.


A teoria de tudo

O filme é baseado na biografia do cientista Stephen Hawking, grande físico britânico e enfoca a relação de Hawking, portador de esclerose lateral amiotrófica, doença degenerativa que paralisa os músculos do corpo, descoberta aos 21 anos, com sua primeira esposa, Jane Wide. Stephen superou todas as expectativas dos médicos sobre suas chances de sobrevivência a partir da persistência de sua mulher em auxiliar o cientista no que fosse necessário.

Comer, amar e rezar

Comer, rezar, amar fala sobre se redescobrir, aprender a estar em equilíbrio com si mesmo e amar a vida de todos os modos que ela lhe é apresentada. Triste, engraçado, belo, sensível e real, este é um filme recomendadíssimo que faz você pensar sobre muitas coisas em sua vida, levando a história de Liz como exemplo.

Cisne negro

O filme narra as desventuras da bailarina Nina Sayers em sua obcecada trajetória até o papel principal na montagem de Lago dos Cisnes, na companhia onde é dançarina. Perfeccionista, ela deve enfrentar a sua maior inimiga: ela mesma e o seu lado obscuro dentro de si. Cisne negro é uma lição de vida, pois trata da dedicação obcecada e os extremos infelizes que tal conduta pode levar.

A procura da felicidade

O filme conta a história de Chris Gardner, que depois de empreender em um negócio sem futuro e investir todo seu dinheiro, acumulou muitas dividas e foi abandonado por sua esposa. Precisou cuidar sozinho de seu filho, foi despejado várias vezes, preso por não pagar multas de trânsito e dormiu por alguns meses em praças, banheiros públicos e abrigos para moradores de rua.

Um Sonho Possível

O filme conta a história real de Michael Oher, mais conhecido como Big Mike, um jovem sem-teto negro vindo de um lar destruído, que é acolhido por uma família branca de classe alta, que acredita em seu potencial. Com a ajuda do treinador de futebol americano de sua escola e de sua nova família, Oher terá de superar diversos desafios à sua frente, o que também mudará a vida de todos a sua volta.

Desafiando gigantes

Nunca Desista, nunca volte atrás, nunca perca a fé. Nos seus seis anos como técnico de futebol americano de uma escola, Grant Taylor nunca conseguiu levar seu time Shiloh Eagles a uma temporada vitoriosa. E ao ter que enfrentar crises profissionais e pessoais aparentemente insuperáveis, a ideia de desistir nunca lhe pareceu tão atraente. É apenas depois que um visitante inesperado o desafia a acreditar no poder da fé que ele descobre a força da perseverança para vencer.

O que motiva você ? Deixe aí nos comentários!

SobreVIVER

Não faz muito tempo, terminei de ler um livro. Confesso que só o li porque o nome me chamou atenção e a história estaria nos cinemas em breve.
Após terminar, fiquei pensando no quanto aquela história é verídica. Não que eu saiba de fato, em quem os personagens foram inspirados. Mas percebi o quanto eles se assemelham a pessoas ao meu redor. Apesar de todos os pesares, o que mais me prendeu a história foi a decisão da personagem: esquecer tudo e todos. Largar família, amigos escola. Abdicou de suas mordomias e tudo mais que uma adolescente poderia ter, para assim, poder viver a vida conforme lhe conviesse. Acredito que ela queria apenas VIVER, e não SOBREVIVER.
Todos nós temos nossas obrigações e deveres, compromissos e a fazeres. Devemos estudar, trabalhar e ser alguém na sociedade. Você é aquilo que  faz, consome e acredita ser. Papéis que não passam de rótulos. Não definem quem você realmente é. Confesso que, por um momento, gostaria de ter a coragem que personagem teve: deixar tudo para trás, retirar toda a necessidade e obrigação de ser alguém para as pessoas, para ser alguém para mim. Viver de acordo com minhas vontades e desejos. Não ter que viver dias massivos e exaustastes. Não ser obrigado a colocar um sorriso no rosto todas as manhãs.

Quem vive assim e é realmente feliz? Se você acha que sim, talvez seja melhor rever sua maneira de viver. Mas já que estamos no barco, vamos velejar, cada um como pode, porém, sempre lembrando de viver. Sabendo que um dia sua jornada chegará ao fim e pode ser tarde demais para voltar atrás.

Tudo o que importa é amar

Imagine um mundo sem amor. Agora imagine que um Hitler da vida, queira exterminar todas as pessoas que amam e as diversas formas de amor. Parece impossível imaginar a morte do amor. Mas, talvez, ele esteja morrendo e nem estamos nos dando conta.
Hoje, no dia dos namorados, é possível perceber que algumas pessoas estão mais preocupadas em dar o presente mais caro, e ou, talvez, não saibam nem o que dar para seu companheiro (a). Essas duas hipóteses, se dão, acredito eu, devido a perda do romantismo. Sem generalizar, claro. Mas, como já diz o ditado: “são nos pequenos detalhes que estão as grandes diferenças”.
Com o passar dos anos, os seres humanos foram perdendo a sensibilidade de agradar ao outro.  Acreditando que, o mais caro seja o melhor, ou, é preciso fazer algo grandioso para realmente surpreender. Enganos e equívocos.
Não podemos deixar de lado também, as pessoas que sempre querem o mais caro e esperam que seu parceiro (a), compre presentes exorbitantes. Mais um erro.
Já imaginou se não existissem mil lojas, nas quais você vai frequentemente, em busca de algo para agradar quem você ama? Suponha que elas não existam? O que você faria exatamente agora sem poder recorrer à essas saídas? Se não tivesse dinheiro? Possivelmente 1) você entraria em colapso e desespero, sem saber o que fazer, ou 2) faria algo com as próprias “mãos”, de todo coração.
Pare de se preocupar com o valor material das coisas. Lembre-se: tudo que importa é amar. Não deixe que este sentimento tão nobre simplesmente acabe. Comece a agradar quem você ama com os pequenos detalhes.

Como eu amo vocês, deixo um presente para este dia tão lindo. Wallpapers para smartphones e desktop.
    

     
Se você não namora, acesse esse post, lhe será útil: 10 dicas para ser um solteiro feliz 
Deixe seu comentário ♥

O lado bom da vida

Certa manhã deite-me na varanda e, observando calmamente o horizonte e cada detalhe naquele instante, comecei a refletir se de fato estava vivendo ou sobrevivendo. Pensei nos dias agitados e corridos, nos quais por diversas vezes dizemos às pessoas que nos falta tempo para aproveitar melhor a vida. Dias em que nos preocupamos tanto com o trabalho ou os estudos e esquecemos de tirar dali os melhores momentos.
Para nós, talvez, o lado bom da vida seja apenas aquele em que nos divertimos. Que acordamos e não temos que nos preocupar em sair e ficar no transito. Que podemos ficar até tarde na cama, vendo TV, filmes ou aquela série interminável. Ou aquele sábado à noite, no qual saímos com amigos e perdemos a noção do tempo, simplesmente por não ter que se preocupar com nada naquele instante que parece infindo.
Chego a acreditar que nos deixamos cegar com as necessidades materiais, para sobreviver e, nos esquecemos de viver. É como ouvimos por aí, os maiores prazeres estão nos pequenos momentos. Não sei quem parafraseou isto, mas concordo firmemente. Se em cada momento da vida retirarmos o mínimo que seja de prazer, será o caminho para uma vida mais proveitosa. Se cada um, ao invés de ficar prestando atenção no celular durante o caminho para a escola ou trabalho, começasse a observar mais o que existe no decorrer deste trajeto, perceberia quantas coisas acontecem ao seu redor. Levante-se mais cedo, medite, sorria para as pessoas e dê bom dia. Comprimente a pessoa ao teu lado no ônibus. Faça uma boa ação.
 “A maioria das pessoas perde a habilidade de ver o lado bom das coisas, embora a luz por trás das nuvens seja uma prova de que ele existe.” (O lado bom da vida – Matthew Quick.)

Para escolher o lado bom da vida, basta pensar com entusiasmo. Deixe a preocupação e o pessimismo de lado, invista suas forças e pensamentos no que lhe faz bem. Estamos cercados de coisas belas. O lado bom da vida é aquele que você vive.

Só quem ama sente

Certa vez uma amiga estava sendo julgada por voltar com o ex. Não julguei. Lembrei de quando me apaixonei perdidamente por um garoto. E, assim como eu, ela certamente tinha seus motivos.
Quando você ama alguém, independente da situação, ninguém conseguirá compreender como é possível gostar tanto de alguém. Nem mesmo quando você ama, será capaz de entender o amor de outra pessoa. Este sentimento, que parece ser universal, é único e exclusivo de cada ser. O amor surge em nós de maneira sútil, tão naturalmente como o nascer do dia, fica e te preenche de luz. E, a cada manhã, se renova. Trazendo consigo a esperança de bons acontecimentos. Só quem ama sente. O amor é um sentimento misterioso. Desde que me entendo por gente, vi as mais diversas formas de amor. Há quem sofra por amar, há quem é feliz por amar, e há aqueles que amam sem amar. O amor é difícil, assustador, avassalador e só os fortes o vencem. Nunca julgue uma pessoa por amar alguém. Um dia o jogo pode virar e você estar no lugar de só quem ama sente.
Independente de quem você ama, ame sem medo de sofrer ou ser feliz. No final das contas, o único beneficiado por amar será você.  Seus sentimentos, suas escolhas, suas responsabilidades.

E você, já foi julgado (a) por amar alguém ?